Dia Nacional da Mamografia

Dia Nacional da Mamografia: entenda a importância desse exame

Segundo o Instituto Nacional de Câncer (INCA), o câncer de mama é o tipo da doença mais comum entre as mulheres Brasil, mas  apesar de perigoso, ele pode ser combatido. A mamografia é um exame essencial para a detecção de nódulos, cistos e tumor mamário. 

É por isso que esse exame possui um dia no ano dedicado para celebrar sua importância e incentivar que mais mulheres o realizem. Aproveitando a data (05/02), apresentamos nessa matéria alguns dados sobre a doença e o diagnóstico que, aliado ao autoexame, é fundamental para a saúde feminina.

O câncer de mama

Considerado um problema de saúde pública, o câncer de mama ocorre quando há o desenvolvimento desgovernado de células anormais na região mamária, formando o tumor.

Esse tipo da doença é o mais comum entre as mulheres do mundo todo, depois do câncer de pele não melanoma. De acordo com o INCA, em 2018 foram registrados mais de 59 mil novos casos e, nas capitais, o número é de mais de 19 mil diagnósticos a cada ano. 

O rastreamento do tumor faz toda diferença no tratamento dessa doença e pode salvar muitas vidas afinal, quando detectada precocemente, as chances de cura chegam a 95%.

Fatores de risco

Não há uma causa específica para essa doença, no entanto existem alguns fatores de risco que elevam as chances de desenvolvimento do tumor. Um dos principais é a idade, já que cerca de quatro em cada cinco casos acontecem após os 50 anos. Além disso, outras condições que devem ser consideradas são:

Fatores ambientais e comportamentais

  • Obesidade e sobrepeso após a menopausa;
  • Estilo de vida sedentário e inatividade física;
  • Consumo de bebida alcoólica;
  • Exposição frequente a radiações ionizantes (raio-x).

Fatores da história reprodutiva e hormonal

  • Ter tido a primeira menstruação antes dos 12 anos;
  • Não ter concebido filhos;
  • Primeira gravidez após os 30 anos;
  • Parar de menstruar (menopausa) após os 55 anos;
  • Uso constante de contraceptivos hormonais (estrogênio-progesterona);
  • Ter feito reposição hormonal pós-menopausa, principalmente por mais de cinco anos.

Fatores genéticos e hereditários

  • Histórico familiar de câncer de ovário ou de mama, principalmente antes dos 50 anos;
  • Câncer de mama na família em homens;
  • Alteração genética, especialmente nos genes BRCA1 e BRCA2.

Sintomas

Ficar atenta a qualquer alteração nos seios é fundamental para a detecção precoce do câncer. O ideal é observar as mamas sempre que se sentir confortável para identificar qualquer mudança visual ou tátil. 

A autopalpação/observação dos seios pode ser realizada no banho, na hora de trocar a roupa ou em qualquer momento do cotidiano, sem nenhuma recomendação técnica específica. O objetivo é valorizar a descoberta casual de pequenas alterações. Caso encontre algo suspeito, procure ajuda médica o quanto antes!

Alguns sinais e sintomas podem ser percebidos, tais como:

  • Nódulos pequenos no pescoço, axila ou nas próprias mamas;
  • Corrimento espontâneo de líquido anormal dos seios;
  • Alterações nos mamilos e aréola;
  • Pele da região avermelhada, retraída ou parecendo uma casca de laranja;
  • Nódulo geralmente indolor e fixo, semelhante a um caroço.

No entanto, outros se manifestam após um tempo, quando o câncer já está desenvolvido. Por isso, a melhor maneira de detectar esse tumor e tratá-lo de uma maneira eficiente é por meio do exame de mamografia e a biópsia. 

Mamografia como prevenção 

A mamografia é um exame de radiografia das mamas que identifica, por meio de um aparelho de raio-X, possíveis nódulos, cistos, lesões e o tão temido câncer de mama antes do surgimento dos sintomas. 

Esse exame quando feito de maneira preventiva ou de rastreamento não tem o poder de evitar o surgimento do tumor. No entanto, continua sendo a maneira mais eficiente para detecção do câncer de mama ainda não-palpável clinicamente (com menos de 1cm).

O ideal é que ele seja realizado anualmente a partir dos 40 anos com um mastologista (médico especializado na saúde das mamas), mas em casos em que há histórico familiar (mãe, pai, irmã), o ideal é que a mamografia seja iniciada pelo menos 10 anos antes da idade em que o familiar apresentou a doença. 

No dia da sua realização, o ideal é não utilizar creme, talco ou desodorante na região das mamas e axilas. O ideal é levar ainda o exame anterior para que o especialista possa fazer uma comparação.

Dia Nacional da Mamografia

Instituída em 05 de fevereiro de 2008, essa data tem o intuito de revelar a importância desse exame para a saúde feminina. Além disso, tem como objetivo apoiar a sua realização para evitar a mortalidade pelo câncer de mama.

Segundo o INCA, 70% das brasileiras entre 50 e 69 anos têm acesso à mamografia, incluindo a rede pública e privada. No entanto, apenas 20% delas fazem o exame a cada dois anos, de acordo com a Pesquisa Avon/IPSOS – Percepções sobre o Câncer de Mama.

O presidente da Sociedade Brasileira de Mastologia (SBM), Dr. Antonio Frasson, afirma ainda que nas populações que têm acesso à mamografia preventiva periódica, o número de mortes pela doença diminuiu de 15% a 45%.

Por isso, não deixe de cuidar do que é mais importante: você. Realize os seus exames regularmente e mantenha sua saúde em dia. 

Fontes consultadas: INCA e Sociedade Brasileira de Mastologia.

Se você quer mais dicas sobre saúde, prevenção e qualidade de vida não deixe de acompanhar nosso blog aqui na página da Droga Leste. Gostaria de dar uma sugestão ou ver algum assunto por aqui? Conte para a gente pelo e-mail marketing@rededrogaleste.com.br. Cuide bem, viva bem!