Dia Mundial de Luta Contra as Hepatites Virais: tudo que você precisa saber sobre a doença


Como forma de aumentar a conscientização sobre essa doença ao redor do mundo, em 2010 a Organização Mundial de Saúde (OMS) criou o Dia Mundial de Luta Contra as Hepatites Virais (28/07). Segundo dados do Ministério da Saúde, as hepatites B e C afetam aproximadamente 325 milhões de pessoas ao redor do mundo e são responsáveis por 1,4 milhão de mortes por ano. 

Essa enfermidade é evitável, tratável e até curável - no caso da hepatite C - porém, mais de 80% dos que convivem com essa doença não têm acesso a informações de precaução, testagem e tratamento. Como uma forma de ajudar a conscientizar sobre o assunto e celebrar a data, trouxemos dados importantes sobre os principais tipos e como cuidar-se.

O que são as hepatites virais?

São infecções que atingem o fígado e podem ser leves, moderadas ou graves. A maioria dos casos é assintomático, mas quando os sinais aparecem incluem: cansaço, febre, mal-estar, tontura, enjoo, vômitos, dores abdominais, pele e olhos amarelados, urina escura e fezes claras.

No Brasil, as variações mais comuns são os vírus A, B e C. Com menor frequência temos a hepatite D (principalmente na região Norte) e a E, que é mais incomum, encontrada com mais facilidade na África e Ásia. 

Hepatite A

Causada pelo vírus HAV, os sintomas aparecem de 15 a 50 dias após a infecção. A transmissão acontece por meio fecal-oral e tem grande relação com alimentos ou água infectados, especialmente devido a deficiências no saneamento básico ou péssima higiene pessoal. Contato físico próximo ou sexual também podem transmitir o vírus. O diagnóstico é realizado por exames de sangue, nos quais são detectados a presença de anticorpos. 

Uma vez diagnosticada a doença, evite a automedicação, pois há substâncias que são tóxicas para o organismo e apenas pioram o quadro. Somente um médico sabe quais são as medicações mais adequadas para oferecer conforto e garantir segurança. 

Hepatite B

Somente em 2018, o vírus HBV foi responsável por mais de 30% dos casos de hepatite aqui no Brasil. Na grande maioria das vezes, é totalmente assintomática e muitas vezes só é detectada muito tempo após o paciente contrai-la. Normalmente está ligada a outras disfunções, como insuficiência hepática e câncer de fígado. 

Pode ser transmitida de mãe para filho durante a gestação ou parto, durante as relações sexuais e compartilhamento de agulhas, seringas e material de manicure. A patologia tem duas formas: aguda e crônica. A primeira é de curta duração e quando se estende por um período maior de seis meses passa a ser crônica. Não tem cura, no entanto é possível controlá-la por meio de medicamentos. Além de já ter uma vacina disponível para proteger a população.

Hepatite C

Causada pelo vírus HCV, também se manifesta de duas formas: aguda ou crônica, sendo a segunda a mais comum. Aproximadamente 60% a 85% dos casos tornam-se semipermanentes e, em média, 20% evoluem para cirrose ao longo do tempo, de acordo com o Ministério da Saúde. 

É propagada, principalmente, pelo contato com sangue contaminado, por compartilhamento de agulhas e seringas, falha na esterilização de equipamentos médicos ou de manicures, e, por mais que seja incomum, pelas relações sexuais sem proteção e durante a gestação. 

É tratada com antivirais de ação direta que apresentam uma taxa de sucesso de 95%. A terapia tem uma duração média de aproximadamente 8 a 12 semanas, eliminando os micro-organismos do corpo do paciente. 

Como fazer a prevenção?

Segundo o Ministério da Saúde, é possível proteger-se com algumas medidas de segurança:

  • Lavar sempre as mãos;

  • Limpar com água tratada, clorada ou fervida, os alimentos que são consumidos crus, deixando-os de molho por 30 minutos;

  • Cozinhar bem os alimentos antes de consumi-los, principalmente mariscos, frutos do mar e peixes;

  • Higienizar adequadamente pratos, copos, talheres e mamadeiras;

  • Evitar a construção de fossas próximas a poços e nascentes de rios;

  • Usar preservativos e higienização das mãos, genitália, períneo e região anal antes e após as relações sexuais;

  • Não compartilhar objetos de uso pessoal, como lâminas de barbear e depilar e escovas de dentes;

  • Garantir que as seringas em estabelecimentos de saúde, estúdios de tatuagem, manicure e pedicure e colocação de piercings sejam de uso único e descartáveis;

  • Manter as vacinas em dia.

Fonte: OPAS Brasil e Ministério da Saúde

--

Gostou dessas dicas? Para conferir mais como essas, não deixe de acompanhar nosso blog aqui na página da Droga Leste. Tem algum assunto que você gostaria de ver por aqui? Fale com a gente pelo e-mail marketing@rededrogaleste.com.br. Cuide bem, viva bem!

Confira mais

Nada basiquinha: o colorido veio para dominar o olhar!

Chega daquele esfumado tradicional, a moda agora é apostar em sombras coloridas e formatos diferentes para destacar e tornar seu rosto uma obra de arte.

Deixar o cabelo preso por muito tempo pode trazer problemas?

Manter os cabelos presos pode ser uma alternativa muito mais prática para evitar incômodos. Mas, o penteado tem suas desvantagens.

Os quatro meses do bebê. O que esperar?

Dando continuidade na nossa série sobre o desenvolvimento dos bebês, chegamos ao quarto mês. Confira as transformações dessa fase!

Semana Mundial da Amamentação e a importância do leite materno

Seus principais objetivos são: promover, incentivar e motivar o aleitamento materno por meio do aumento ao acesso às informações sobre o assunto.

Dores no inverno? Veja dicas para diminuí-las durante a estação

A mudança de temperatura realmente causa desconforto, tanto muscular quanto articular, ainda mais depois de uma certa idade na qual esses problemas pioram.

Veja Mais Postagens